“A gente esqueceu como era a vida antes do WhatsApp”
Disse alguém aqui na agência.

A verdade é que realmente fizemos do app um semi-deus.
Convergimos nele grupos familiares, de novos amigos, amigos distantes, de trabalho, substituímos ligações por mensagens e posteriormente e até abrimos canais de vendas de por lá. Fizemos dele um ambiente de uso extenso e quase inseparável.

Em poucos minutos após a decisão judicial de interrupção do WhatsApp em todo Brasil, veio uma enxurrada de memes que nos fizeram lembrar das redes sociais já sepultadas pelos assíduos usuários das redes ou com piadas de como seria ficar sem o queridinho app.

Surgiram também na time line do facebook e instagram mensagens de desespero, jeitinhos de burlar a proibição e todo tipo de comentário possível.Teve até gente querendo procurar a justiça por conta de as vendas de seus produtos cessarem junto com a breve proibição.

Cadê meu whats !!! #shit #comunismo

A video posted by Luciana Gimenez (@lucianagimenez) on

Estima-se que 100 milhões de pessoas foram afetadas. Daí foram milhares e milhares de downloads de redes similares ao aplicativo.

O Telegram se deu bem e ganhou adeptos, além de fazer antigos usuários apontarem seus pontos diferenciais em relação ao concorrente. O Zap Zap, app genuinamente paraense, teve seus minutos de fama novamente pelo clima de piada que os fatos tomam invariavelmente na internet.

 

Na tarde seguinte a decisão é derrubada e tudo volta ao normal, mas ficou uma sensação estranha de termos visto uma proibição judicial se estender pelo país inteiro unicamente pela negação do fornecimento de dados sobre um caso específico.
“Estou chocado que nossos esforços em proteger dados pessoais poderiam resultar na punição de todos os usuários brasileiros do WhatsApp pela decisão extrema de um único juiz. ” Disse Mark Zuckerberg CEO e fundador do Facebook sobre a questão.

Não foi a primeira vez que a justiça brasileira tentou parar um serviço online e é provável que não seja a última. O presidente do Google Brasil já foi preso em 2012 por conta da empresa ter se recusado a tirar um vídeo do Youtube. Em 2007 o Youtube ficou fora do ar por 2 dias quando a empresa se recusou a tirar um vídeo de conteúdo erótico de Daniella Cicarelli numa praia carioca, sendo o caso mais extremo que temos notícia até hoje.

Sobre isso o que nos resta é fazer com que a internet se posicione como um ambiente livre no Brasil.

Sobre a nossa dependência do uso de um aplicativo, olhemos mais a nossa volta.

A vida é o que acontece enquanto nós olhamos a tela do celular!

Share This